2 de janeiro de 2014

Ano Novo?

Agora que já estão (quase) todos restabelecidos dos comas e tocados a Gurozans não vos quero iludir: O mundo real voltou e em força. Há que arregaçar as mangas e dar no duro, cada um na sua arte. As frases motivadoras de votos e desejos de grandes sucessos no dobrar dos anos só encontram alguma viabilidade se fizermos a parte que nos compete. É que, tal como nos video jogos, onde somos o protagonista e temos tudo para brilhar, há sempre um antagonista que tudo fará para barrar os nossos intentos. E neste enredo nem sequer houve um cessar fogo. Estava mesmo agora a ver o telejornal e a abertura desse espaço noticioso foi feito com o anúncio de que Pedro Passos, O Coelho, mesmo sem armas lazer ou outros gadgets fulminantes, voltou a fazer das suas. Mais porrada para os pensionistas, que são quem ele mais odeia pelo simples facto de (ainda) estarem vivos.

Desculpem lá se não estou a ser muito animador, mas isto da passagem de um ano para o outro é como diz o Jesus acerca do fair-play: é uma treta. Se esperarmos que as coisas simplesmente aconteçam vamos apodrecer de maduros. Isto aplica-se em tudo e para todos. Eu ando a fazer a parte que me toca para acabar com a pele do meu antagonista. Façam vocês o mesmo.

As minhas resoluções para 2014 ficam guardadas para mim.

Esta é a minha mensagem de Ano Novo.

Sem comentários:

Enviar um comentário

A bem da nação, o teu comentário fica a aguardar moderação do Lápis Azul.