20 de fevereiro de 2013

Eeeeh Macarena!

Estão a ver aquele anúncio do Toyota Auris em que só se pode ouvir uma música (a Macarena), seja em que circunstância for? Ao que parece os tipos da agência de publicidade e da própria Toyota andam a bater com a cabeça nas paredes por não terem esperado um pouco mais e ter usado a "Grandola Vila Morena"

19 de fevereiro de 2013

Heróis, mas pouco

O desporto ocupa uma fatia considerável da minha vida. Ao contrário do que se possa pensar eu quando digo a palavra “desporto” estou mesmo a querer dizer desporto e não futebol. Se quiser falar de futebol utilizo outros termos, como por exemplo... Futebol. Vou dar-vos uma imagem disso: de momento não tenho ChuloTV (também conhecida por Sport TV), mas se estiver sentado em frente ao televisor, e sozinho, o mais certo é estar sintonizado na EuroSport. Posso nem estar a ligar muito, mas de certeza que estou a ver aquelas modalidades que mais ninguém vê, desde o Snooker, aos campeonatos de Matraquilhos, passando pelo Curling e pelo Bowls. Com toda esta retórica já consegui vincar bem a minha condição de amante do desporto, não?

Assim sendo estou perfeitamente habilitado até para dizer mal. E é exactamente esse o motivo que me traz aqui hoje. Ando a perder aquela alegria que certos desportos e certas personalidades do desporto me têm proporcionado. E nem estou a fazer uma retrospectiva a tempos remotos. Falo de coisas que estão a acontecer.

A primeira facada nas costas é-me espetada por Lance Armstrong. Eu, que nem sou dos maiores fãs do ciclismo, era tão viciado em Armstrong, como Armstrong em substâncias dopantes! Doeu ter que abdicar daquela figura de superatleta que tinha criado em relação a ele. E eu tinha os meus motivos. É claro que aquele gajo poderia conquistar 7 voltas à França! Até mais se ele quisesse! O gajo era bom! Um gajo que, como ele, é feio como um comboio e saca a Sheryl Crow, é capaz de fazer qualquer outra coisa sobre-humana!

... E agora este Oscar Pistorius. Filho de uma grande mãe! Este era outro que me fazia crer que basta acreditar e trabalhar no duro, para se estar no topo daquilo a que nos propomos. Eu, um céptico nato! Numa África do Sul de paradoxos, mas igualmente de figuras emblemáticas, a história de Pistorius cheirava mesmo a outro Invictus. De repente... Bum, bum, bum, bum! Quatro balázios numa loira top model e bye bye Blockbuster. Até perdi a vontade de fazer a piada sobre uma relação que não tinha pernas para andar.

15 de fevereiro de 2013

Cuidado com o que vem de cima

A tentação em fazer piadas com analogismos de calhaus que caiem do céu e calhaus, que não caindo do céu, também estragam que se farta é enorme. E como não devo ser o único nem o primeiro com a mesma ideia, se calhar fico-me por vos desejar a todos um bom fim-de-semana.

Só mais uma nota: Se virem uma chuva de calhaus vinda do céu a aproximar-se a toda a velocidade, desta vez (e só desta vez), pode não ser granizo! Por isso é melhor não ficar na via pública embasbacado a olhar para cima.

13 de fevereiro de 2013

Trabalhar para o Fisco

Como vocês tão bem sabem eu agora trabalho para as finanças. O quê?... Não sabiam?... Então?... Trabalho sim! OK, é em part-time e sem remuneração (tal qual o estado gosta), mas que trabalho, lá isso trabalho!

O meu Director Geral incumbiu-me de controlar a malta que não me quer passar factura em troca de um pagamento, por serviço prestado. Diz ele que é para bem das contas públicas. Mais me disse que apesar de não me dar um tusto por esta tarefa, está de olho em mim. Ameaçou inclusivé multar-me se eu não a cumprir com rigor. Contudo não são só coisas más. Consegui (com algum esforço), que ele se comprometesse a dar-me um prémio de 250€, caso eu atingisse o objectivo de angariar um número de facturas que no seu total perfizessem uns 30.000€. Não é mau, pois não? Pudemos entender que a minha nova entidade patronal, cedeu a algumas exigências da classe trabalhadora.

A partir de agora vou tentar andar na linha. Não quero enfurecer o meu Director Geral. Como tal vou fazer de tudo para que ele não se aperceba que vou continuar a não pedir factura na oficina, nem no cabeleireiro, nem no restaurante. É que a vida está muito difícil e para puder sobreviver e manter-me a trabalhar pro bono, tenho que procurar poupar onde quer que consiga. Se me virem a prevaricar, por favor não lhe digam nada.

11 de fevereiro de 2013

Tão ma oubir?



Pedro, Aníbal, ponham os olhos neste rapaz e façam como ele. Ainda vão a tempo! Depois até podem ir estudar filosofia para Paris que por cá ninguém se vai ralar, ok?...

7 de fevereiro de 2013

Notícias Frescas

A do dia é esta:

Diário Económico Online

A este já não lhe bastava andar com as orelhas em brasa por causa do BPN, como também nos é dado saber que é mais um a juntar à dramática lista do flagelo do trabalho infantil.

6 de fevereiro de 2013

Gajas Nuas

Não liguem ao título. É muito enganador. Explico já o que quer dizer. Há tempos escrevi um post com o título de Porno-Chachada, que de porno-chachada só tinha mesmo o título. Os dias foram passando e constatei que essa entrada todos os dias tinha algumas visualizações. Como conheço mais ou menos o fluxo de pessoal aqui do balcão achei fora do normal, até que cheguei a uma conclusão (fiz menção a isso no post Do que o meu povo gosta).

O que é certo é que as visualizações não param de aumentar. O texto de hoje é mesmo só para encher chouriços. O título, esse sim, é que  vai servir para enganar malucos! UUUUAAAHAHAHAHAHA!


Já que cá vieram tomem lá um miminho:    

5 de fevereiro de 2013

Retirado do Record




Jornal Record

Segundo diz na notícia, este rapaz terá sido pago para encaixar mais de dois golos num jogo da Liga dos Campeões. A mesma peça relembra-nos que, no jogo em questão, o Liverpool ganhou ao Debrecen por 1-0.

Pergunto:

  • Será que devolveu o dinheiro por incumprimento de acordo?
  • Seria o Liverpool desta época assim tão mau que só consegue ganhar à rasquinha perante um guarda-redes "comprado"?

Está bem?...

4 de fevereiro de 2013

Pequenos Luxos

Agora que o governo me promoveu à classe dos ricos e abastados gostava de partilhar convosco algumas das extravagâncias que um burguês, como eu, foi desenvolvendo ao longo de toda uma carreira. Até hoje achava, inadvertidamente, que essas atitudes eram apenas promovidas por ser preguiçoso, comodista ou, pasme-se, por não ter dinheiro. Um tal de Gaspar abriu-me os olhos para aquilo que realmente sou. Gaspar, se me estiveres a ler, fica a saber o quão grato te estou por me teres elevado o status a um patamar tão elevado, ao ponto de ter a sorte de puder pagar os impostos que os extremamente pobres não podem e os extremamente ricos não querem. Sou um novo-rico and I like it!
 
Falava de extravagâncias. Pois bem. Um gajo sabe que é extravagante quando:

  • Tem uma máquina de lavar loiça que usa uma vez por semana para lavar 3 taças de cereais e respectivas colheres;
  • Tem um frigorífico combi que de tão vazio estar até faz eco quando se abre a porta. Extravagante não come em casa, mas sim fora. Eu, por exemplo, como fora muitas vezes, amigos pobretanas. Janto na minha mãe e almoço no trabalho, na marmita que a minha mãe tão bem me prepara;
  • Gasta mais em gasóleo do que em renda de casa. No meu caso, estou tão dependente do gasóleo que antes quero que me falte a água. Como não a bebo, só me faz falta para a tal lavagem mencionada atrás.
 
Estas são apenas algumas das minhas loucuras enquanto capitalista de primeira água. Muitas outras poderiam aqui constar, mas acho que fica a ideia. E como sou um português orgulhoso não vou fazer como esses fraquinhos que põem o dinheiro fora de cá, para fugir ao fisco. Duvido até que haja algum banco estrangeiro capaz de receber saldos abaixo de zero como o deste menino abastado.
 
Belmiro, amigo, se estiveres enrascado, podes sempre falar comigo!