21 de janeiro de 2013

O fenómeno

Se aos tornados se dão nomes, e sempre de gajas, tomei a liberdade de fazer o mesmo com o parente pobre destes, na circunstância, o vendaval do passado fim-de-semana. Sim, volto a falar dele. Achei que o fenómeno vivido um pouco por todo o país tem cara de Zé Tó. O Zé Tó é daqueles gajos que por onde passa só arranja confusão e depois do baile montado, desaparece tão rapidamente como aparecera.

O Zé Tó, com ventos a rondar os 140 km/h, não me estragou só o fim-de-semana. O Zé Tó está igualmente a ser responsável por aquilo que me vai acontecer num futuro muito próximo, já que se lembrou de levar com ele parte da cobertura do sitio onde costumo “jogar” futsal. De maneiras que, se em breve me virem com uma barriga tipo bidão de gasóleo, não culpem nem a Sagres, nem a Super Bock (esta última só na falta da primeira e apenas em SOS). Culpem sim o Zé Tó.

Zé Tó, és um porco!


P.S.: Ao Futebol Clube de Alverca quero deixar a minha solidariedade nesta hora em que até as forças da natureza se viram contra si. Amigos, os grandes voltam sempre a brilhar!


ACTUALIZAÇÃO de 22/01/2013: Parece que ainda não se cansou. O gajo anda por aqui hoje a derrubar placas de trânsito e bocados de prédios. Zé Tó, Zé Tó...


Sem comentários:

Enviar um comentário

A bem da nação, o teu comentário fica a aguardar moderação do Lápis Azul.